A Esperança da Caixa de Pandora

Apesar de todo o caos ela existe!

Posts Tagged ‘Tempo

Tempo de reflexão

with 7 comments

Vamos jogar tudo fora. Sim, fazer aquela faxina geral dentro de nós. Separar as qualidades num canto, os defeitos no outro e as coisas indecifráveis melhor deixar numa gaveta em stand by. Esse é o momento para uma reavaliação, tempo de reflexão com nossos próprios botões. Não há nada melhor que reciclar, principalmente, idéias.

No começo é meio incomodo porque temos uma tendência natural à preguiça, a deixar tudo como está, acostumados a rotina e ao cotidiano. Para que mexer em time que está ganhando ou empatando não é? Não fique na inércia do comodismo. Movimente-se porque nesse caso a ausência de movimento é estagnação de energia.

Essa é a hora para rever os erros e ver quais foram exatamente os estragos que eles causaram. Com certeza você irá perceber que parte deles foi causada pelas nossas próprias limitações e fraquezas, pela nossa incapacidade de enxergar a verdade e viver num mundo de ilusões.

Não importa qual o tamanho ou a proporção dos erros, o importante é a conscientização da forma de pensar e agir. Mudar é algo totalmente possível, basta deixar a dureza do orgulho e a aspereza da arrogância de lado. Somos seres capazes de transformar, pois estamos em eterna evolução.

Tudo é possível quando vivemos com os dois pés no chão. A insegurança é um monstrinho que deve ser deixado de escanteio porque ele impede nossos próximos passos. Nada mais impróprio que a falta de confiança em nós mesmos. Devemos acreditar sempre, pois a nossa fé é um agente transformador.

Isso! Pegue a vassoura, o espanador e principalmente a pá de lixo. Junte os caquinhos dos sofrimentos, das amarguras e mágoas. Agora jogue fora sem remorsos! Mas nunca se esqueça deles. Eles serão eternas lembranças para um aprendizado que custou muito caro ao coração. Porém, coloque-os pra fora.

Reveja valores, conceitos, idéias e perspectivas. Projete-se para o futuro, se jogue no tempo-espaço de conceitos inovadores, criativos e essencialmente diferenciais para sua vida. Liberte-se de preconceitos e pré-conceitos. Faça a sua diferença sem se importar se o vizinho aprovou sua iniciativa.

Não tenha medo de sofrer e se machucar. Isso faz parte da vida e ela não teria a menor graça se não tivesse lágrimas para lavar o rosto e a alma. Por isso, extravase emoções, grite bem alto e mostre que para ser feliz não é preciso de muito, mas sim de coisas simples como sorrir para você mesmo. Esse é o melhor sorriso de todos!

Tempo de reflexão. Templo de inovação. Tempo de transmutação. Porém, acima de tudo, o seu tempo é você quem faz!

Anúncios

Written by Babi Arruda

05/08/2010 at 16:30

O espaço de cada um

with one comment

Parece estranho, mas apesar do ser humano possuir uma natureza egoísta ao mesmo tempo tem uma postura dominante e dominadora, como se de alguma forma quisesse absorver as outras pessoas, incluí-las no seu universo particular, às vezes até, sem pedir permissão para tal.

Essa invasão de território pode parecer agressivo. Muitos não lidam bem com esse intercâmbio de limites. Já outros não se importam, ou se tem algum incômodo, simplesmente deixam pra lá. Não criam atritos desnecessários, tudo em nome da boa convivência.

Porém, o importante de tudo é ter compreensão e tolerância. Também uma dose de paciência é bom para manter os ânimos calmos e tranqüilos. Temos que aprender a respeitar o espaço pessoal de cada um, entendendo que cada indivíduo pensa e age de forma diferente, além de precisar de um tempo sozinho com os próprios botões para ajeitar as arestas da vida.

Sei que quando gostamos de alguém queremos ao máximo a pessoa ao nosso lado, cuidando, segurando pela mão como se fosse uma criança aprendendo os primeiros passos, porém temos que deixar o outro respirar, sem cobranças ou imposições.

Não é fácil praticar isso. Sim, é absolutamente complicado as relações humanas e muitas vezes erramos por excesso, por falta de tato, por ansiedade, por diversos fatores que nem sabemos explicar.

Aprenda que a maioria das pessoas não funciona sobre pressão. Isso não faz bem para ninguém. As decisões têm que ser tomadas com cabeça fria, bom senso e ponderação, e com certeza invadir o espaço do outro nesse momento pode ser desastroso.

Se você sufocou alguém não se torture. Não adianta chorar pelo leite derramado nem se culpar pelo erro. Acalme-se e deixe o tempo agir. Ele é o único capaz de colocar as coisas nos seus devidos lugares da forma correta, da maneira que irá nos fazer bem. Se existe carinho, também existirá o perdão sincero, sem mágoas e a possibilidade de um novo começo.

Porém, aceite que as pessoas possuem suas limitações, seus espaços individuais e uma conexão exclusiva com o próprio eu. Todo mundo tem essa relação dualista consigo mesmo. É natural e muito saudável para nossa sanidade mental porque isso está intimamente ligado a percepção de nossa auto-estima.

Portanto, não ultrapasse barreiras, muros ou pontes sem ser convidado a atravessar. Espere o tempo necessário dentro do seu próprio espaço pessoal.  Talvez com isso e somente talvez, o convite poderá chegar mais rápido se você permanecer quieto no seu quadrado.

Written by Babi Arruda

12/05/2010 at 10:53

Chuva fria

with 2 comments

Não há nada melhor para a realidade do que a chuva molhando a janela e o vento frio desarrumando os cabelos. Essa sensação nítida de frieza coloca seus pensamentos de acordo com a lógica e distante da ilusão.

Sentir que as coisas não são tão simples quanto deveria angustia e joga as fantasias dentro de um quarto escuro, frio como a chuva que cai do lado de fora daquela janela. E ao olhar para dentro do quarto desejamos sair correndo para bem longe, onde não se pode achar sonhos, desejos e alusões de felicidade instantânea.

Aquela lembrança do passado chega de mansinho e começa a apagar o sorriso. Um medo nostálgico que nos coloca entre o ser emocional e o racional de ocasião. Como desassociar imagens, reflexos e contradições se a chuva continua a cair lá fora?

Mas talvez tudo seja pretensão, imaginação ou alucinação de conceitos distorcidos pelo tempo. Fechar os olhos e ainda enxergar a luz é uma arte para poucos e sempre são os loucos a fazer isso com maestria.

Quero sentir aquele momento singular, a chuva fria e os seus olhos a enxergar os meus mesmo com eles fechados porque eu não quero me importar com o tempo passado, com as fobias associadas, as euforias privadas e as manias declaradas. Eu só quero que aconteça.

Written by Babi Arruda

06/04/2010 at 12:06

Publicado em Prosas

Tagged with , , , , , ,

Palavras e nada mais

leave a comment »

Eu vivo de palavras e nada mais. As imagens criadas são apenas ilusões da minha memória angustiada e desejosa de purificação.

Sonhos são palavras silenciosas que estão na fila de espera para serem escritos, concretizados no mais alto teor literário. E apesar disso ou daquilo são apenas sonhos, sonhos e sonhos…

Um suspiro na espera de que minha respiração se estabilize e volte ao mundo real, universo no qual não quero estar porque falta alguma coisa, uma presença, uma imagem e também uma palavra apenas.

Written by Babi Arruda

15/03/2010 at 13:15

Publicado em Prosas

Tagged with , , ,

O tempo é inexorável

with 3 comments

Volte no tempo e pare por alguns instantes. Agora responda: o que mudou? Sei que você irá dizer um montão de coisas, mas procure se ater somente ao essencial, aquilo que realmente molda uma pessoa e é capaz de definir seus caminhos, sua personalidade.

Pois é, o tempo passou e levou com ele muitas verdades absolutas e várias convicções que hoje não fazem mais sentido. A vida é assim, subliminar, faceira e incerta. Da mesma forma que tudo depende de você, nada foge a ação de terceiros e tudo se torna inexorável. O tempo é inexorável. Mas você não pode ser inexorável. Isto é proibido.

Ontem tudo parecia tão mágico, as coisas giravam dentro da minha órbita programada, mas de repente um novo Big Bang. As minhas afirmativas passaram a ser dispensáveis na nova realidade, como um móvel velho jogado num canto qualquer, sem serventia.

Eu tinha tanta certeza daquilo. Era como uma raiz fincada a fundo, forte e resistente. Acho que me enganei e subestimei a ação do tempo. Não levei em consideração meu inconsciente inconstante, minhas mudanças de roupa, minha troca de pele. Isso faz parte do show da vida. São esses pequenos grandes detalhes que fazem os seres humanos distintos e únicos.

As pessoas mudam e com isso elas passam a ser inexoráveis com você, mesmo sem querer. Isso é um fato inquestionável, irrevogável, passível de protestos e revoluções desarmadas. Mas o melhor mesmo é deixar pra lá essas rusgas com o destino.

Um problema que não tem solução não merece importância nem lágrimas histéricas de piedade e compreensão. Para que se perder tempo com que não há conserto? Já transmutou e o significado é outro, exigindo novos esclarecimentos e condutas. De mais nada adianta lágrimas e um “mimimi” descontrolado, tenha a certeza.

Já é tempo de aceitar a nova realidade e assimilar atitudes diferentes. Simples fatos cotidianos. O que era tornou-se inexorável. Agora é hora de abrir a mente e jogar fora tudo que está caducado, velho e com a validade vencida. Uma faxina interna de conceitos, ideias e pessoas, de julgamentos e sentenças.

Não se apegue a ilusão de permanecer no mesmo lugar, alimentando as mesmas concepções de vida. As transformações são inevitáveis e de nada adianta se manter em uma postura austera e inflexível. Flutue. Libere a imaginação e os sentidos. Não se assuste ao olhar no espelho e ver que mudou. Não há nada de errado nisso. Aceite.

As pessoas precisam aprender a praticar o desapego, inclusive o desapego de si mesmo. Nós somos efêmeros e o que somos hoje não é necessariamente a verdade de amanhã, nem mesmo uma premissa irrefutável. O tempo é inexorável, mas o ser humano tem que estar além desta limitação.

Written by Babi Arruda

25/02/2010 at 23:41

Publicado em Artigos

Tagged with , , , ,

Tempo perdido

leave a comment »

tempos

Não fique triste menino.

Não chores pelo tempo perdido.

Ela escapa para todos.

Olhe o espelho e veja o reflexo de que se tornou.

Caminhe olhando para os lados, não olhe para o tempo perdido, ele escorregou pelos dedos ásperos.

Não sou, nem estou distante.

Mesmo quando não estais por perto,

Sinto o seu cheiro, o seu olhar, o seu sorriso a me acariciar.

Não procure pelo óbvio, pois ele trás muitas mentiras.

Não procure pela verdade, apenas sinta como é bom poder sonhar de novo.

Não alimentes mágoas, nem incertezas,

Elas são bandidas cruéis da nossa derrota.

Deite no meu colo.

Deixa eu te ninar.

Não tenhas medo.

A boca múrmura é muito mais traiçoeira que a alma passional.

Olhe para mim e não veja, olhe para mim e sinta o calor do meu silêncio chamando por você.

 

*Publicado em 12/03/2009

Written by Babi Arruda

27/10/2009 at 17:35

Publicado em Poesias

Tagged with , , ,

Tempo

leave a comment »

tempo

O ponteiro do relógio

Ele é crucial, inimigo, traiçoeiro

Tempo. Tão rápido e efêmero, mas ao mesmo tempo lento….tempo…

Ah, que doce o seu olhar que não enxerga o tempo.

Horas, minutos, segundos, tic-tac, tic-tac…

O teu sorriso me ilumina, me faz voltar no tempo.

Tempo que traz a saudade, a solidão, à espera de um novo tempo.

Veja, o dia hoje está mais radiante, com nuvens claras no céu.

Por quê?

Não faça perguntas difíceis, apenas aprecie o tempo,

Ele também pode ser um grande amigo.

Estar com você faz o tempo parar.

Sim, ele pára. Só nas nossas ilusões pueris.

Ele continua andando pelas avenidas e ruas em ritmo acelerado.

Olhe para Paulista. Ela nunca pára.

Só pára no instante em que seus olhos encontram-se com os meus.

Aí nesse momento não existe o tempo, mas sim uma infinidade de felicidade contida.

Tempo…chegue logo, passe logo e depois pare!

Pois eu quero ficar mais tempo ao seu lado.

Quero você no meu colo

Pelo tempo que tiver que ser!

Como sinto sua falta

Como sua ausência maltrata minha sanidade.

Vou brigar com o tempo.

Vou mudar o tempo.

Vou distorcer o tempo.

Vou ser o tempo.

O tempo que você mais sonha e deseja.

Menino, não desperdice o tempo,

Apenas sinta ele fluir neste momento

Eu estou aqui.

Olhe para mim.

Sorria para mim.

Esse é o nosso tempo!

 

*Publicado em 22/09/2008

Written by Babi Arruda

26/10/2009 at 19:33

Publicado em Poesias

Tagged with , ,

%d blogueiros gostam disto: