A Esperança da Caixa de Pandora

Apesar de todo o caos ela existe!

Nada é absoluto. Tudo é mutável

with 6 comments

Nada é absoluto nesta vida. Nem toda pergunta possui uma única resposta. Tudo passa a ser relativo quando falamos de relacionamento humano. As pessoas são diferentes, pensam diferentes e acima de tudo, agem de forma completamente diferente. Apenas um ciclo de verdades.

Não dá para julgar o comportamento de alguém baseado nas nossas próprias expectativas. Isso com certeza é um passo certo para decepção. A distorção da realidade começa quando esperamos de terceiros e aí a subjetividade impera, mas rejeitamos isso.

Vale lembrar que os conceitos são fabricados desde o momento de nosso nascimento e cada um de nós é criado dentro de um determinado ambiente. Tudo isso influencia na nossa formação de caráter e criação ideal do mundo que conhecemos.

Ao longo da vida vamos adquirindo experiências e a partir delas nossas concepções são moldadas. Umas de visão clara e simplificada. Outras emaranhadas por um pouco de sombras e ilusão. Mas sim, são elas que tornam cada pessoa única e diferenciada.

Não entendo porque a necessidade que as pessoas têm de querer que fulano tenha uma atitude e não aquela outra. Chato seria se ele fosse igualzinho a mim. Coisa mais burocrática. Vamos sair da caixa e compreender que aquilo que vemos faz parte apenas do nosso imaginário de normas e condutas encaixotadas.

O que hoje pode ser para mim uma coisa, amanhã pode mudar completamente. Basta uma nova experiência, basta uma nova emoção. Tudo vai depender dos próximos segundos que eu viver. As visões que eu tenho do hoje graças a Deus não serão as mesmas amanhã.

Mudanças: o encanto do comportamento humano. A antropologia agradece e a evolução da espécie também. Essa nossa capacidade de transformações e adaptações nos impulsionam para além daquilo que é cotidiano, nos proporcionando novas dimensões de realidade. A verdade é uma premissa inalienável e ela precisa ser alcança por todos.

Esqueça o que te falaram sobre os conceitos de certo ou errado. Preto e branco. O mundo é cinza com algumas pinceladas coloridas de passionalidade. E de preferência cores quentes porque torna tudo mais intenso.

Pare de julgar os outros de acordo com sua realidade. Com certeza ela não importa para a maioria da população mundial e nem vai ser a mesma daqui há 20 anos. Olhe tudo com olhos temporários e passageiros. Lembre-se que tudo são ciclos: itinerante, intangível, mas nunca imutável.

Anúncios

Written by Babi Arruda

22/12/2010 às 13:13

6 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Mas palavras do mestre David Bowie:

    Changes

    I still don’t know what I was waiting for
    And my time was running wild
    A million dead-end streets
    Every time I thought I’d got it made
    It seemed the taste was not so sweet
    So I turned myself to face me
    But I’ve never caught a glimpse
    Of how the others must see the faker
    I’m much too fast to take that test

    Ch-ch-ch-ch-Changes
    (Turn and face the strain)
    Ch-ch-Changes
    Don’t want to be a richer man
    Ch-ch-ch-ch-Changes
    (Turn and face the strain)
    Ch-ch-Changes
    Just gonna have to be a different man
    Time may change me
    But I can’t trace time

    I watch the ripples change their size
    But never leave the stream
    Of warm impermanence and
    So the days float through my eyes
    But still the days seem the same
    And these children that you spit on
    As they try to change their worlds
    Are immune to your consultations
    They’re quite aware of what they’re going through

    Ch-ch-ch-ch-Changes
    (Turn and face the strain)
    Ch-ch-Changes
    Don’t tell t hem to grow up and out of it
    Ch-ch-ch-ch-Changes
    (Turn and face the strain)
    Ch-ch-Changes
    Where’s your shame
    You’ve left us up to our necks in it
    Time may change me
    But you can’t trace time

    Strange fascination, fascinating me
    Changes are taking the pace I’m going through

    Ch-ch-ch-ch-Changes
    (Turn and face the strain)
    Ch-ch-Changes
    Oh, look out you rock ‘n rollers
    Ch-ch-ch-ch-Changes
    (Turn and face the strain)
    Ch-ch-Changes
    Pretty soon you’re gonna get a little older
    Time may change me
    But I can’t trace time
    I said that time may change me
    But I can’t trace time

    Helô

    22/12/2010 at 14:04

    • “Time may change me but I can’t trace time…” – Não tenho nem o que dizer!

      Changes…always!

      Amo ❤

      Babi Arruda

      22/12/2010 at 17:27

      • Amoooooo!!!! Amo vc e amo o Bowie! \o/

        Helô

        23/12/2010 at 08:55

  2. Como sempre ADOREI o texto, mas dessa vez têm uma diferença ele se encaixou em um momento especial que estou vivendo.. Gostei muito, SUA LINDA.. HAHA

    Carla Cavalcante

    23/12/2010 at 08:10

  3. Acho que esta necessidade que sentimos de outras pessoas agirem como a gente supostamente agiria vem do fato de quando criança nós copiarmos as reações e comportamentos dos outros. Nós aprendemos por mimetismo, da fala ao gesto, e claro, com uma ou outra habilidade inata aí no meio. No fim das contas temos isso tão entranhado em nós que acabamos por imaginar que o outro deveria refletir nossos gestos e meios também, assim como fizemos, no passado. De qualquer forma, quem não consegue mudar a si mesmo dificilmente conseguirá passar pela vida sem neuroses e problemas sociais. Eu curto aforismos e este diz muito sobre transformações:

    “Poderei sempre vangloriar-me de ter perseverado na mudança!”
    Georges Duhamel

    Pacha Urbano

    19/01/2011 at 13:34

  4. Parabéns Babi Arruda pelo texto.
    A reflexão que nos é proposta neste texto mostra o quanto a filosofia é importante para o ser humano, talvez essa seja uma das características que permite a nós humanos nos diferenciarmos dos outros animais, se é que os outros animais também não sejam filósofos dentro de sua próprias realidades, deixo aqui minha contribuição com esta belíssima obra. Tentemos pois expandir essa ideia para nossas demarcações científicas e nesse sentido faço referência a obra de Karl Popper – O problema da demarcação – nesta obra Popper nos revela a difícil tarefa que a ciência tem em delimitar aquilo que pode ou não ser considerado ciência, para tanto ele cria uma teoria que baseia-se na concepção de que para qualquer teoria ser considerada científica é necessário que esta possa ser refutada e isso nos traz a um problema que até hoje é difícil de se discutir: e as ciências humanas tais como a sociologia? na teoria de Popper não há uma explicação clara para esta pergunta. Portanto ele mesmo nos desafia quando no final de sua obra ele propõe que sua própria teoria deve ser refutada, nisso vemos que a ciência e a produção do conhecimento dito científico é vítima de suas próprias conclusões. Desta forma faço aqui uma interação entre esta obra, a obra de Popper e a minha forma de perceber o mundo. Sugiro a seguinte questão: qual a explicação que temos para o preconceito humano que muitas vezes nós mesmos cometemos sem perceber? talvez uma das respostas e digo isto para não limitar as infinitas respostas que possam surgir seja exatamente o que Karl Popper propôs em sua teoria – precisamos delimitas tudo para conseguir chegar a alguma conclusão. O perigo da filosofia é que quanto mais nós mergulhamos na nossa racionalidade podemos acabar por transcender a nossa própria realidade e assim acabaríamos sento transportados para um outro mundo. Não existem verdades absolutas mas sim diferentes formas de se perceber uma situação!

    Josué do Carmo

    Josué do Carmo

    06/08/2015 at 16:39


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: