A Esperança da Caixa de Pandora

Apesar de todo o caos ela existe!

Martírio final

leave a comment »

martírio

Quando o peito aperta, a alma sai fora da matéria e uma lágrima rola em sua face,

E o pranto jurado pelos mortos se aquece,

Sua vida se torna uma redoma de vidro,

E os bárbaros são apenas simples mortais.

Por que esta agonia desenfreada que há tanto tempo passou por mim? 

Retorno de angústias passadas?

Como pode ser a fragilidade dos seres humanos.

Finda esta dor, estas lágrimas que já não escorre mais pelo meu rosto, escorre pelo meu coração.

Seguro em meus braços o rei sol com seu coração de gelo.

Que aquece sua solidão e queima meu corpo.

E um abismo se cria entre o céu e a terra.

Os deuses diante de ti sussurram e retiram seu semblante.

Vulnerável, sem defesa, com votos de castidade.

Inconsolável dor, desatinada.

Mudanças atroz, desnecessárias.

Um cálice de vinho entrelaçado em minhas mãos derrama-se e espalha somente a solidão.

Chegar ao fim da linha sem crença na morte e uma desesperança na vida.

Andar na corda bamba da razão, num último golpe: insensatez!

Por fim, em fim, a fim da espera de uma resposta que já conheço.

E num gesto bebo meu sangue e sorrio para o horizonte sombrio como uma criança travessa a espera do martírio final.

 

*Publicado em 26/06/2009

Anúncios

Written by Babi Arruda

27/10/2009 às 19:20

Publicado em Poesias

Tagged with , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: